Página inicial
GrupoGrupoAtendimentos
Objetivos
Eixos Temáticos
Justificativas
Marco Teórico e Premissas
Membros
Coordenação
Bibliografia recomendada
Fale conosco
Galeria de Fotos


Videos


Clique e assista o vídeo

  
 

BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA


REPOSITÓRIO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE
MEDICINAS COMPLEMENTARES

http://www.sab.org.br/med-terap/MTframeArtigosCient.htm

 

Práticas Alternativas ou Complementares

1. Barbosa MA. A utilização de terapias alternativas por enfermeiros brasileiros. [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem; 1994.

2. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 971, de 03 de maio de 2006. Dispõe sobre a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 4 maio 2006. Seção 1, p. 20.

3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. Brasília; 2006.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS atitude de ampliação de acesso. Brasília; 2008

5. Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução COFEN-197/1997. Estabelece e reconhece as Terapias Alternativas como especialidade e/ ou qualificação do profissional de Enfermagem. In: Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (COREn-SP). Documentos básicos de enfermagem: enfermeiros, técnicos, auxiliares. São Paulo; 2001. p. 159 - 60.

6. Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução COFEN 290/2004. Fixa as Especialidades de Enfermagem. In: Conselho Regional de Enfermagem. Legislação. São Paulo (SP); 2004.

7. Conselho Federal de Enfermagem (BR). Parecer normativo do COFEn no004/95. Dispõe sobre as atividades em Terapias Alternativas. Bol Inf COREn. 1995; 18 (4):8.

8. George JB. et al Teorias de Enfermagem. Porto Alegre: Artes Médicas; 1993.

9. Salles, LF; Ferreira, MZJ; Silva MJP, Turrini RNT. Terapias Complementares na Enfermagem: levantamento bibliográfico. Revista Nursing 2007; 105(9): 94-98.

10. São Paulo (Cidade). Lei n. 13.717, de 08 de Janeiro de 2004. Dispõe sobre a implantação das terapias naturais na Secretaria Municipal de Saúde [online]. São Paulo; 2004. Disponível em: http://www3.prefeitura.sp.gov.br/cadlem/secretarias/negocios_juridicos/cadlem/pesqnumero.asp?t=L&n=13717&a=&s=&var=0.

11. Silva, MJP; Benko, MA. O uso das terapias alternativas por enfermeiros docentes. Rev. bras. enferm;51(3):457-68, jul.-set. 1998. tab.

12. Trovo, MM; Silva, MJP; Leão, ER. Terapias Alternativas/Complementares no ensino público e privado: análise do conhecimento dos acadêmicos de Enfermagem. Rev latino-am. enfermagem 2003; 11(4): 483-489.

 

Antroposofia

1. Baldi VM. Enfermagem e antroposofia: uma possibilidade de diálogo [tese]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão de Ribeirão, Universidade de São Paulo; 2003.

2. Bott V. Medicina antroposófica: uma ampliação da arte de curar. 3ª ed. São Paulo: Associação Beneficente Tobias; 1991.

3. Burkhard GK. Tomar a vida nas próprias mãos: como trabalhar na própria biografia o conhecimento das leis gerias do desenvolvimento humano. São Paulo: Antroposófica; 2000.

4. Creamer, U. Conhecendo a trimembração do organismo social. São Paulo: Palas Athena; s.d

5. Glöckler M. Salutogênese: onde se encontram as fontes da saúde física, anímica e espiritual? São Paulo: Liga dos Usuários e Amigos da Arte Médica Ampliada; 2003.

6. Hussemann F, Wolff O. A imagem do homem como base da arte médica. São Paulo: Resenha Universitária; 1978.

7. Internationale Vereinigung Anthroposophischer Ärztegesellschaften (IVAA) [homepage on the Internet]. [cited 2007 July. 8]. Available from: http://www.ivaa.info/

8. Lanz R. Noções básicas de antroposofia. 4ª ed. São Paulo: Antroposofia; 1997.

9. Lievegoed B. Fases da vida: crises e desenvolvimento da individualidade. 4ª ed. São Paulo: Antroposófica; 1997.

10. Moraes WA. As bases epistemológicas da medicina ampliada pela antroposofia. São Paulo: Associação Brasileira de Medicina Antroposófica; 2005.

11. Nuñez FHM. Leis gerais da biografia humana: descrevendo uma experiência com agentes comunitários de saúde. Nursing Saúde Coletiva 2004: 1 (1) : 22-27

12. Nuñez, HMF. Enfermagem antroposófica: uma visão histórica, ético-legal e fenomenológica. [tese]. São Paulo: Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo; 2008.

13. O que é medicina antroposófica? Bol Integralidade Saúde [periódico na Internet]. [citado 2007 jul. 8]. Disponível em: http://www.lappis.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=175&sid

14. Soares SM. Práticas terapêuticas no serviço público de saúde: buscar caminhos e descaminhos [tese]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 2000.

15. Steiner R, Wegman I. Elementos fundamentais para uma ampliação da arte de curar segundo os conhecimentos da Ciência Espiritual. 3ª ed. São Paulo: Antroposófica; 2007.

16. Steiner R. 1861-1925: minha vida: a narrativa autobiográfica do fundador da antroposofia. Trad. de Rudolf Lanz, Bruno Callegaro e Jacira Cardoso. São Paulo: Antroposófica; 2006.

17. Setzer V . http://www.ime.usp.br/~vwsetzer/ home page acessado 2008

18. Vieira NF. Reconhecimento da medicina antroposófica como prática médica: Processo Consulta n. 1818/93. Brasília: Conselho Federal de Medicina; 1993

 

Aromaterapia

1. Corazza S. Aromacologia: uma ciência de muitos cheiros. São Paulo (SP): Senac; 2002.

2. Garnett-Ore L. Aromatherapy within mental health services. The Aromatherapist 1996; 3(1): 17-33.

3. Lavabre M. Aromaterapia: a cura pelos óleos essenciais. Rio de Janeiro (RJ): Record (Nova Era); 1995.

4. Maddoks-Jennings W, Wilkinson JM. Aromatherapy practice in nursing: literature review. J Adv Nurs 2004; 48(1): 93-103.

5. Rose J. O livro da Aromaterapia: aplicações e inalações. Rio de Janeiro (RJ): Campus; 1995.

6. Tisserand R. A arte da Aromaterapia. São Paulo (SP): Roca; 1993.

 

Auriculoterapia e Acupuntura

1. Auteroche B, Navailh P. O diagnóstico na Medicina Chinesa. São Paulo; Andrei, 1992.

2. Garcia EG. Auriculoterapia. São Paulo; Roca, 1999.

3. Hirsch S. Manual do Herói. 2ed. Rio de Janeiro; Correcotia, s/d.

4. Lee EW. Auriculo acupuntura. 3 ed. São Paulo; Ground, 1989.

5. Maciocia G. Diagnóstico na Medicina Chinesa: um guia geral. São Paulo: Roca, 2005.

6. Maciocia G. Os fundamentos da Medicina Chinesa. São Paulo; Roca, 2006.

7. Nogier PMF. Noções práticas de Auriculoterapia. São Paulo; Andrei, 1998.

8. Nogier R. Auriculoterapia ou acupuntura auricular 1º Grau. São Paulo; Andrei, 2003.

9. Souza M.P. Tratado de auticuloterapia. Brasília; Instituto Yang, 1991.

10. Suen LK, Wong TK, Leung AW. Is there a place for auricular therapy in the realm of nursing? Complement Ther Nurs Midwifery. 2001;7(3):132-9.

11. Wen TS. Acupuntura clássica chinesa. 10 ed.São Paulo; Cultrix, 1985.

12. World Health Organization (WHO). Guidelines on Basic Training and Safety in Acupuncture. Geneva; WHO Publications, 1999.

 

Cromoterapia

1. Amber, R. Cromoterapia: a cura através das cores. Trad. Cláudio Giordano. São Paulo: Cultrix.1983.

2. Clark, L.; Martine, Y. A vibração das cores: resultados surpreendentes que podem ser conseguidos com o uso adequado da cor. Trad. Adail U. Sobral. São Paulo: Pensamento. 1976.

3. Edde, G. Estudo geral das cores. In: Claret, M. (Ed.) O poder da cromoterapia. São Paulo: Clipping, 1998. p. 23-42.

4. Gaspar, E. D. Cromoterapia: cores para a vida e para a saúde. 2. ed. Rio de Janeiro: Pallas.1997.

5. Marini, E. Cromoterapia. Dicas e orientações de como as cores podem mudar sua vida. Rio de Janeiro: Nova Era.2002.

6. Nunes, R. Compêndio científico de cromoterapia. 4. ed. Brasília: L.G.E. 2001.

7. Nunes, R. Dinâmica da cromoterapia. 5. ed. Brasília: Linha Gráfica. 1998.

8. Rousseau, R. A linguagem das cores: a energia, o simbolismo, as vibrações e os ciclos das estruturas coloridas. Trad. J. Constantino. Riemma. São Paulo: Pensamento.1980.

9. Valcapelli. Cromoterapia propriamente dita. In: CLARET, M. (Ed.) O poder da cromoterapia. São Paulo: Clipping, 998. p. 95-104.

 

FLORAIS

1. Bach, E. A terapia floral: escritos selecionados de Edward Bach. São Paulo: Ground; 1991. 268p

2. Bach, E. Os Remédios Florais do Dr. Bach. Incluindo o Cura-te a ti mesmo. São Paulo: Pensamento, 1997. 96p.

3. Barnard, J. Las Plantas Sanadoras de Edward Bach. Julian Barnard; Hereford, 1999.

4. Barnard, J. Padrões de Energia Vital. São Paulo: Aquariana, 1992. 199p.

5. Barnard, J. Remedios Florales de Bach - Forma y Función. Inglaterra/México: Flower Remedy Programme, 2008.

6. Barnard, J. Um Guia para os Remédios Florais do Dr. Bach (8. ed.). São Paulo: Pensamento, 2004. 74p.

7. Chancellor, P.M. Manual Ilustrado dos Remédios Florais do Dr. Bach (8. ed.). São Paulo: Pensamento, 1998. 193p.

8. Duques, M. Os Florais de Bach e as Sindromes do Feminino (3. ed.). Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997.

9. Ganem, E.E. Os Florais do Dr. Bach e o Eneagrama (6. ed.). São Paulo: Nova Era, 2006. 108p.

10. Howard, J. Remédios Florais do Dr. Bach Passo a Passo: Guia Completo (12. ed.). São Paulo: Pensamento, 2001. 90p.
11.
Jones, T.W.H.; Jones, A.J. Dicionário dos Remédios Florais do Dr. Bach (9. ed.). São Paulo: Pensamento, 1998. 43p.

12. Kaminski, P. Flores que Curam: Como Usar Essências Florais. São Paulo: Triom, 2000. 181p.

13. Kaminski, P.; Katz, R. Repertório das Essências Florais. São Paulo: Triom,1997. 231p.

14. Kripper, V. Terapia Floral Bach Aplicada à Psicologia (4. ed.). São Paulo: Gente, 1992. 117p.

15. Lambert, E. Os Estados Afetivos e os Remédios Florais Dr. Bach (4. ed.). São Paulo: Pensamento, 2001. 164p.

16. Monari, C. O Despertar da Alma com os Florais de Bach. São Paulo: Roca, 2001. 230p.

17. Monari, C. Participando da Vida com os Florais de Bach (3. ed.). São Paulo: Roca, 2002. 655p.

18. Monteiro, JR.; A.J.R. A Cura Pelas Flores - Os Harmonizantes Florais do Dr. Bach (8. ed.). São Paulo: Ibrasa, 1991.

19. Paroni, M.; Paroni, C. Aprenda a Ser Feliz Com os Florais de Bach (2. ed.). São Paulo: Mara Paroni, 2003. 176p.

20. Sceffer, M. A Terapia Original com as Essências Florais de Bach (10. ed.). São Paulo: Pensamento, 2002. 268p.

21. Sceffer, M. Experiências com a Terapia Floral do Dr. Bach (3. ed.). São Paulo: Pensamento, 1994. 163p.

Sceffer, M. Terapia Floral do Dr. Bach: Teoria e Prática (9. ed.). São Paulo: Pensamento, 2002. 229p.

22. Sceffer, M. Terapia Floral Original do Dr. Bach Para Auto-Ajuda. São Paulo: Pensamento, 2008. 198p.

23. Silva, M.J.P.; Gimenes, O.M.P.V. Florais uma alternativa saudável: pesquisas revelam tratamentos e resultados dessa terapia. São Paulo: Gente; 1999.

24. Stern, C. Remédios Florais da Califórnia. São Paulo: Pensamento, 1999. 232p.

25. Stern. C. Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre os Remédios Florais de Bach (10. ed.). São Paulo: Pensamento, 1992. 302p.

26. Stern, C.; STERN, D.H. Florais de Bach: Novos Processos Técnicos e Clínicos. São Paulo: Pensamento, 1998. 134p.

27. Vlamis, G. Rescue - Florais de Bach para Alívio Imediato. São Paulo: Roca, 1992. 182p.

28. Weeks, N. As Descobertas Médicas de Dr. Edward Bach Médico. Instituto Dr. Edward Bach, 144p.

29. Wheeler, F.J. Repertório dos Remédios Florais do Dr. Bach (6. ed.). São Paulo: Pensamento, 1993. 35p.

30. White, I. Essências Florais Australianas (4. ed.). São Paulo: Triom, 2001. 234p.

 

Iridologia

1. Batello CF. Iridologia e irisdiagnose: o que os olhos podem revelar. São Paulo: Ground; 1999.

2. Beringhs L. Vida saudável pela Iridologia. São Paulo: Probe; 1997.

3. Johnson D. O olho revela. São Paulo: Ground; 1992.

4. Salles LF. Epidemiologia dos anéis de tensão [monografia]. São Paulo(SP): Instituto Brasileiro de Estudos Homeopáticos - IBEHE; 2003.

5. Salles, LF. A prevalência de sinais iridológicos nos indivíduos com Diabetes mellitus [dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem da USP; 2006.

6. Valverde R, Augusto Á. Iridologia e florais de Bach. 3ª ed. São Paulo: Ground; 1994.

 

Massagem

1. Angarten, MG; Costa, CAM; Bloch, JB. Prevenção de escara de decúbito: avaliação de programa de treinamento. Rev. Bras. Enferm;36(1):25-8, jan.-mar; 1983.

2. Basile, ALO. Estudo randomizado controlado entre as posições de parto: litotômica e lateral-esquerda. Säo Paulo; s.n; 2001.

3. Brêtas, JRS; Silva, MGB. Relato de experiência do projeto: grupo de massagem e estimulação de bebês, na Universidade Federal de Säo Paulo. Rev. baiana enferm;12(1):91-98, abr; 1999.

4. Brêtas, JRS; Cassula, DA; Maida, DV; Reis, LL. Percepção das mães que participaram do grupo terapêutico de massagem em bebês acerca das experiências, benefícios e mudanças no comportamento do bebê. Temas desenvolv;9(51):41-48, jul.-ago; 2000.

5. Brêtas, JRS; Silva, MGB. Massagem em bebês: um projeto de extensäo comunitária. Acta paul. enferm;11(n.esp):59-63; 1998.

6. Ferrell-Torry AT; Glick OJ. The use of therapeutic massage as a nursing intervention to modify anxiety and the perception of cancer pain. Cancer Nurs; 16(2): 93-101; 1993.

7. Jean, SK et al. Massage Therapy versus Simple Touch to Improve Pain and Mood in Patients with Advanced Cancer. Annals 2008 149: I-38.

8. Silva, MGB. Massageando bebês: a singularidade da experiência. Säo Paulo; s.n; 2000. 168 p. ilus.

9. Sousa, IMC. O toque no cuidado de enfermagem à criança: uma abordagem introdutória. Esc. Anna Nery Rev. Enferm;6(supl.1):141-146, dez. 2002.

10. Richards, KCR et al. Effects of Massage in Acute and Critical Care. AACN Clinical Issues: Advanced Practice in Acute & Critical Care. Complementary and Alternative Therapies. 11(1):77-96, February 2000.

11. Victor, JF; Moreira, TMMM. Integrando a família no cuidado de seus bebês: ensinando a aplicação da massagem Shantala. Acta Sci., Health sci;26(1):35-39, jan.-jun. 2004.

 

Musicoterapia (Música & Saúde)

1. Benenzon R. Teoria da Musicoterapia. São paulo: Summus; 1988.

2. Bergold LB, Alvim NAT. A visita musical como estratégia terapêutica para a humanização hospitalar. Rev. Científica do HCE, 2005. Ano 1, n1, p61-8.

3. Bruscia K. Definindo Musicoterapia. Rio de Janeiro: Enelivros; 2000.

4. Bush CA. A música e a terapia das imagens. São Paulo: Cultrix; 1999.

5. Campbell D. O efeito Mozart: explorando o poder da música para curar o corpo, fortalecer a mente e liberar a criatividade. Rio de Janeiro RJ: Rocco; 2001.

6. Carpeaux OM. O livro de ouro da História da Música: da idade média ao século XX. 3a ed. Ediouro. Rio de Janeiro, 2001.

7. Concerto histórico. Disponível em http://www.jornalhoje.globo.com/ acesso em 26/02/2008.

8. Davis WB, Gfeller KE, Thaut MH. Na introduction to music therapy theory and practice. Dubuque: WCM Publishers; 1992.

9. Dobbro ERL. Notas de bem-estar. Viver Psicologia 1997; 56:22-23.

10. Dobbro ERL. A música como cuidado complementar no cuidado de mulheres com fibromialgia. [dissertação] São Paulo: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem; 1998.

11. Dobbro ERL, Silva MJP. Música na fibromialgia: a percepção da audição musical erudita. Nursing 1999; 19:14-21.

12. Dobbro ERL. O som e a cura. Medicis 2000; 3:8-11.

13. Fonseca KC, Barbosa MA, Silva DG, Fonseca KV, Siqueira KM, Souza MA. Credibilidade e efeitos da música como modalidade terapêutica em saúde. Ver. Eletrônica de Enfermagem. 2006; 08(3): 398-403.

14. Gatti MFZ. A música como internvenção redutora da ansiedade do profissional de serviço de emergência: utopia ou realidade? [dissertação]. São Paulo SP, 2005.

15. Jourdain R. Música, cérebro e êxtase: como a música captura nossa imaginação. Rio de Janeiro: Objetiva; 1998.

16. Kain ZN, Caldwell-Andrews AA, Krivutza DM, Weinberg ME, Gaal D, Wang SM, et al. Iteractive Music Therapy as a Treatment for Preoperative Anxiety in Children: a Randomized Controlled Trial. Anesth Analg. 2004; 98:1260-66.

17. Leão ER. Imagens mentais decorrentes da audição musical erudita em dor crônica músculo-esquelética: contribuições para a utilização da música pela Enfermagem [tese] São Paulo: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem; 2002.

18. Leão ER A dor sob controle. Dol – Dor on-line. São Paulo, jul. 2000. Disponível em: http://www.dol.inf.br/html/repensando/repensandoDorControle.html Acesso em: 05 jan. 2004. Entrevista concedida a Fabio de Oliveira.

19. Leão ER, Benedito MAC. Complementando o cuidar do ostomizado: a música e a Ioga. In: Santos VLG, Cesareti IUR.(org). Assistência em Estomaterapia: cuidando do ostomizado. São Paulo, 2001, p. 411-446.

20. Leão ER. Dor Oncológica: a música como terapia complementar na assistência de enfermagem. Boletim científico do Hospital Samaritano 2002; (1). Disponível em: http://www.samaritano.org.br/pt/interna.asp?page=1&idpagina=393

21. Leão ER. et al. Música em Unidade Oncológica: “Todo sofrimento pode ter um recreio”. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CANCEROLOGIA, XVI, 2003. Resumos. São Paulo, Sociedade Brasileira de Cancerologia, 2003. p. 196-7.

22. Leão ER, Silva MJP. Música e dor crônica músculoesquelética: o potencial evocativo de imagens mentais. Rev Latino-am Enfermagem 2004, 12(2):235-41. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692004000200013

23. Leão ER. A música como recurso complementar no controle da dor. Âmbito Hospitalar 2004; (168): 51-55.

24. Leão ER, Bussotti EA, Aquino CR, Canesin AC, Brito RP. Uma canção no cuidar: a experiência de intervir com música no hospital. Nursing 2005; 82(8): 129-34.

25. Leão ER, Silva MJP. Música no controle da dor: uma possibilidade terapêutica complementar. Rev Dor 2005; 6(1): 460-68.

26. Leão ER. Silva MJP. The relationship between music and musculoskeletal chronic pain. Online Brazilian Journal of Nursing. 2005; 4(1). Disponível em: http://www.uff.br/nepae/objn401leaoetal.htm Acesso em 29 out. 2005.

27. Leão ER. Humanização hospitalar. Revista Espiral 2005; 24. Disponível em: http://www.eca.usp.br/nucleos/njr/espiral/principal.htm Acesso em 29 out. 2005.

28. Leão ER, Flusser V. Música em instituições de longa permanência para idosos e comunicação não verbal. Boletim científico do Hospital Samaritano 2006; (15). Disponível em: http://www.samaritano.org.br/pt/interna.asp?page=1&idpagina=483

29. Leão ER. Música nos Hospitais. Medicina e Saúde 2006, edição nº 5. Disponível em: http://www.editorial.com.br/medicinaesaude/005_07.htm

30. Leão ER. Silva MJP. A música como intervenção de enfermagem no controle da dor. In: Chaves, LD. Leão ER. Dor 5º sinal vital: reflexões e intervenções de enfermagem. 2ª ed. São Paulo: Martinari; 2007. p. 581-606.

31. Leão ER. Música e dor: estado da arte. Boletim da Sociedade Brasileira para o Estudo da dor 2007; Ano VII, n. 3; p.3. Disponível em: http://dor.org.br/images/jornal25.pdf

32. Leão ER. Reflexões sobre música, saúde e espiritualidade. O Mundo da Saúde 2007; 31(2):290-296. Disponível em http://www.scamilo.edu.br/index.php?pag=publi_sumariover&ID=1096&rev=s

33. Leão ER. Música no tratamento da dor músculo-esquelética. In: Teixeira MJ, Yeng LT, Kaziyama HHS. Do: Síndrome dolorosa miofascial e dor músculo-esquelética. São Paulo: Roca; 2007.

34. Leão ER, Silva MJP. Music as complementary therapy in fibromyalgia pain patients. In: Rockne AP. Focus on fibromyalgia research. New York: Nova biomedical; 2007. p. 89-114.

35. Leão ER, Flusser V. Música para idosos institucionalizados: percepção dos músicos atuantes. Rev. Esc. Enferm. USP [periódico na Internet]. 2008 Mar [citado 2008 Abr 14] ; 42(1): 73-80. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342008000100010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

36. Leão ER. La dignidad de las personas ancianas institucionalizadas: el papel de la musica en el encuentro humano. Enfermería global 2008; n. 13. Disponible em: http://www.um.es/ojs/index.php/eglobal/article/viewFile/16101/15511


37. Leão ER, Flusser V. Música e comunicação não verbal em instituições de longa permanência para idosos: novos recursos para a formação de músicos para a humanização dos hospitais. OBJN 2008; 7(2). Disponível em: http://www.uff.br/objnursing/index.php/nursing/article/view/j.1676-4285.2008.1600/362

38. Luz MC. A Educação musical na maturidade. São Paulo: Som; 2008.

39. Marconato C, Munhoz EC, Menim MM, Albach MT. Application of Receptive Music Therapy in Internal Medicine and Cardiology. Arquivo Bras Cardiol. 2001; 77(2):140-41.

40. Morrison EE, Complementary therapies: what are the ethics challenges for Kansas Nurses? The Kansas Nurse. May 2007, v 82, n 5.

41. Puggina ACG. O uso da música e de estímulo vocais em pacientes em estado de coma: relação entre estímulo auditivo, sinais vitais, expressão facial e escalas de Glasgow e Ramsay. [dissertação]. São Paulo SP, 2006.

42. Queiroz GJP. A música compõe o homem, o homem compõe a música. São Paulo: Cultrix; 2000.

43. Ribas JC. Música e Medicina. São Paulo: Neurônio; 1950.

44. Sahler OJZ, Hunter BC, Liesveld JL, The effect of using music therapy with relaxation imagery in the management of patients undergoing bone marrow transplantition: a pilot feasibility study. Alternative Therapies. 2003; 9(6):70-4.

45. Skyllstad K. Música e meditação SGI Quaterly. 2004.


46. Souza MRC, Camacho C, Tavares S. Alterações nos estados subjetivos de pessoas idosas em decorrência da audição musical – a LEP como instrumento de pesquisa. Psicologia 1985; 11(3): 53-62.

47. Wheeler BL. Music therapy research: quantitative and qualitative perspectives. Phoenixville: Barcelona Publishers; 1995.

48. Zárate PD, Diaz VT. Aplicaciones de la musicoterapia em la medicina. Rev. Médica de Chile. 2001; 129(2) 219-23.

 

Reiki

1. Baginski, B.J.; Sharamon, S. Chakras Mandalas de Vitalidade e Poder (3. ed.). Pensamento, 1997. 206p.

2. Barnett, L.; Chamber, M. Reiki - Medicina Energética. Nova Era, 2007. 176p.

3. Brennan, B.A. Luz Emergente: A jornada da Cura Pessoal. Cultrix, 1997. 560p.

4. Brennan, B.A. Mãos de Luz: um Guia para Cura Através do Campo de Energia Humana (18. ed.). Pensamento, 2001. 384p.

5. De’Carli, J. Reiki Universal (11. ed.). Mandras, 2007.

6. Gleiner, E.F. Reiki na vida diária (4. ed.). Nova Era, 2004. 108p.

7. Honervogt, T. Reiki - Cura e Harmonia. Através das Mãos. Pensamento, 2000. 144p

8. Kessler, U.K. Reiki - O Caminho do Coração. Ground, 1998.

9. Lubeck, W. Rainbow Reiki. Ground, 2001. 221p.

10. Lubeck, W. Reiki para primeiros socorros. Nova Era, 2001. 186p.

11. Morris, J.J.; Morris, W.R. Reiki - Hands That Heal. Red Wheel, 1999.

12. Muller, B.; Gunther, H.H. Reiki - Cure a Si Mesmo. Rocco, 1997. 278p.

13. Petter, F.A. Reiki: o legado do Dr. Mikao Usui. Ground, 2002. 157p.

14. Rowland, A.Z. Reiki Tradicional Para o Mundo Moderno: Métodos Práticos para a Cura Pessoal e Planetária. Pensamento, 2002. 216p.

15. Upanishad, K.K. Reiki: o Caminho do Coração (4. ed.). Ground, 1998. 229p.

16. Ziegler, B. Reiki A energia Vital. Eko, 2000. 123p.

 

Toque Terapêutico

1. Alvino, G. The human energy field in relation to science, consciousness and health. [online]. Disponível em: <http://www.vxm.com/21R.43.html> (18 de janeiro de 2001).

2. Andrus, V. Holistic Nursing: remembering our nursing roots. Newsletter of the Nurse Healers Professional Associates International. v. 21, n. 4, p. 1, 2000.

3. Brandão, D.; Cremar, R. O novo paradigma holístico. São Paulo: Summus Editorial, 1992.

4. Carpenito, L. J. Diagnósticos de enfermagem: aplicação à prática clínica. 6a ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

5. Cabico, L. L. A phenomenological study of the experiences of nurses practicing therapeutic touch. Masters Abstr. Int., v. 31, n. 2, p. 758, 1993.

6. Fedoruk, R.B. Transfer of the relaxation response: therapeutic touch as a method for reduction of stress in premature neonates. Dissert. Abstr. Int., v. 46, p. 978 B, 1985.

7. Heidt, P. Effect of therapeutic touch on anxiety level of hospitalized patients. Nurs. Res., v. 30, n. 1, p. 32-7, 1981.

8. Hutton, J.B. Mãos que curam. São Paulo: Cutrix, 1995.

9. Jonasen, A.M. Therapeutic touch: a holistic approach to perioperative nursing. Today’s O.R. Nurse, n. 16, p. 7-12, 1994.

10. Keller, E.A.K. The effects of therapeutic touch on tension headache pain. Masters Abstr. Int., v. 22, n. 4, p. 372-73, 1984.

11. Krieger, D. The relationship of touch, with the intent to help to heal, to subjects’ in-vivo hemoglobin values: a study in personalized interaction. In: The North American Nurses Association Research Conference. New York, 1973. Proceedings. New York: 1973.

12. Krieger, D. The therapeutic touch: the inprimatur of nursing. Am. J. Nurs, v. 75, n.5, p. 784-7, 1975.

13. Madrid, M.; Barret, E. A. M. Roger’s scientific art of nursing practice. New York: National League for Nursing Press, 1994.

14. Marta, I. S. R. Utilização do toque terapêutico no processo de cuidar de pessoas com dor crônica não-neoplásica: avaliação da experiência pelo paciente e verificação dos efeitos sobre a intensidade e o significado psicológico da dor e sobre a depressão. Ribeirão Preto, 2000. Tese (Doutorado) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

15. Newman, M. Health as expanding consciousness. New York: National League for Nursing, 1994.

16. Oliveira, Vânia Lúcia. O toque terapêutico no controle da dor vascular. (Mestrado – Dissertação), Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

17. Rogers, M. E. An introduction to the theoretical basis of nursing. Philadelphia: Davis. 1970.

18. Sá, A. C. de. Aplicação do toque terapêutico em mulheres portadoras de câncer de mama sob tratamento quimioterápico. (Tese – Doutorado) Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

19. Sá, A. C. de. Toque terapêutico como assistência complementar de enfermagem. Acta Paul. Enf., v. 11, n. 2, p. 73-6, 1998.

20. Sá, A. C.; Costa, S. Sensações relatadas pelos pacientes submetidos ao toque terapêutico (método Krieger-Kunz). Acta Paul. Enf., v. 13, n. 3, p. 35-42, 2000.

21. Sá, A. C. de. A ciência do ser humano unitário de Martha Rogers e sua visão sobre a criatividade na prática de Enfermagem. Rev. Esc. Enf. USP, v. 28, n. 2, p. 171-6, 1994.

22. Silva, M. J. P.; Castilho, V. O efeito do toque terapêutico na cicatrização da pele de ratos. In: Congresso Brasileiro de Enfermagem, 48o, São Paulo, 1996. Programa. São Paulo, ABEn – Seção São Paulo, 1996.

23. Silva, M. J. P. et al. Entendendo o toque terapêutico. Rev. Bras. Enf., v 44, n. 4, p. 69-73, 1991.